São nossos pais. São nossos filhos

O pai de Aylan e o filho de Semião, sedentos de paz, abraçam estrelas numa esquina qualquer de terras sem dono, sem fronteiras, sem cercas.

Repartem seus sonhos por onde passam - dialogam em línguas diferentes na tradução comum de esperanças distantes.
E se entendem. E se cometem humanos e generosos. E se perdoam por perdões desnecessários.
O pai de Aylan e o filho de Semião sangram para fecundar o chão de sírios, guaranis, negros, europeus, africanos, cristãos, muçulmanos, ateus, prós, contras, vivos, mortos, indiferentes, aliados, revolucionários, reformistas, na frente e no verso de todas as possibilidades de convivência.
Nossos pais e nossos filhos brilham, rebrilham, na constelação imemorial de tempos ausentes de justiça.
Sangram também o pó da terra despossuída e a areia dos mares hostis.
Do vermelho deste sangue, a rega pranteada no plantio de Aylan e Simeão fará brotar a lavoura indestrutível de flores de todos os matizes, de todas as estações, de todos os aromas.
As estrelas - vesperais da esperança que devolverá a certeza de água a quem tem sede, pão a quem tem fome e moradia ao desabrigado - continuarão reluzindo...e iluminarão, um dia, e por quantas noites vierem, o caminhar órfão de quem fica para não permitir que morram as flores regadas de sangue inocente.
Edson Moraes



                    https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

Edson Moraes

 Jornalista, poeta e apaixonado pela arte de escrever.