Betina, da máfia do hospital do Câncer, hoje, doente, precisa dos remédios que negava aos pacientes

Entre os inúmeros escândalos - e não foram poucos - protagonizados nos períodos em que André Puccinelli esteve a frente da prefeitura e do governo do estado de Mato Grosso do Sul, talvez o mais relevante e traumático, tenha sido o que envolveu o Hospital do Câncer de Campo Grande, comandado pelo médico Adalberto Siufi e sua filha Betina. Um crime que contou com a conivência e parceria do próprio governador, da secretária de saúde, médicos e empresários. Uma verdadeira 'máfia', que transformou o câncer, esta terrível doença, numa verdadeira fonte de enriquecimento ilícito. 
Na época em que o caso veio a publico, trazido pelo programa Fantástico da Rede Globo, no emaranhado de denúncias, averiguações, auditorias e processos, referentes às falcatruas no hospital, um flagrante telefônico entre duas mulheres foi estarrecedor: Betina Siufi, diretora financeira e Renata Burale, bioquímica, chefe geral da farmácia.
Transcrição telefônica:

Renata Burale - “Estou com uma prescrição aqui de um paciente do CTI, que a médica passou um antifúngico pra ele”.
Betina Siufi – “É caro pra cacete esse negócio. Nem f..., desculpa o termo tá?”
Renata Burale – “Essa doutora Camila que passa essas coisas cabulosas. Na hora que vi o preço, eu falei não”.
Uma completa inversão de valores, desrespeito com a médica e crime contra a vida do paciente. Uma coisa macabra. As duas detentoras da vida ou morte de pacientes acamados, chorosos, dependentes de medicação adequada, visualizaram apenas a questão do valor do medicamento e decidiram pela sua não aplicação. Homicídio doloso.
Presentemente, naquela coisa de "às voltas que o mundo dá", Betina contraiu a doença. 
Não acredito em castigo. Deus não castiga ninguém. 
Uma fatalidade, mas hoje é ela, a Betina, quem precisa dos medicamentos 'cabulosos'.
Betina trava batalha na Justiça Estadual de Mato Grosso do Sul para conseguir que o governo do Estado forneça a ela o medicamento importado Afatinib, cujo custo mensal é de R$ 30 mil.
Betina é ré em várias ações. Uma delas pede a devolução de R$ 27 milhões em prejuízos sofridos pelo hospital. Uma outra por improbidade administrativa, na qual seus bens e do pai, e de outros dois ex-diretores do Hospital do Câncer foram bloqueados. O valor chega a R$ 51 milhões. E uma ação criminal, com mais cinco réus.
Talvez, se a atuação da 'máfia' não tivesse sido tão danosa, o dinheiro necessário para o tratamento de Betina fosse mais fácil de ser conseguido.
De qualquer forma, ela tem o direito a vida. O direito que ela negou a inúmeros pacientes.
Que Deus tenha piedade dessa moça...
Lívia Martins
Faça contato e envie denúncias para: liviamartins.jornaldacidade@gmail.com


                                                 https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online.