Dez anos depois, STF decide se aceita denúncia contra Renan por amante financiada por empreiteira

A Justiça Brasileira segue a passos de tartaruga. Quase dez anos depois, o Supremo Tribunal Federal ainda irá julgar se aceita ou não a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra Renan Calheiros (PMDB/AL) no famigerado caso da amante custeada com recursos da empreiteira Mendes Júnior, um dos escândalos que geraram sua renúncia à presidência do Senado Federal em dezembro de 2007.

Pra você entender o escândalo:

1) Após denúncias veiculadas na Imprensa Brasileira, a Procuradoria-Geral da República acusou o senador Renan Calheiros por receber "favores financeiros milionários" da empreiteira Mendes Júnior. Um deles seria custear, entre janeiro de 2004 e dezembro de 2006, a aventura extraconjugal do senador com a belíssima jornalista Mônica Veloso e pagar a pensão do filho originário deste caso; [Fonte: Folha de S.Paulo http://folha.com/no1736531]

2) Em 2007, a PGR entregou a denúncia ao STF, pedindo a condenação do senador alagoano por peculato, falsidade ideológica e uso de documentos falsos. De acordo com o Código Penal Brasileiro, a soma das penas varia entre 5 e 23 anos de cadeia, além do pagamento de multa;

3) À época, o relator sorteado para o caso no Supremo Tribunal Federal foi o ministro-petista Ricardo Lewandowski, que não tomou nenhuma providência para dar andamento à ação e engavetou todo processo;

4) Ainda em 2007, alçada à fama pelo escândalo político, a deliciosa amante do senador posou peladona para a edição de Outubro da revista Playboy. Renan renunciou dois meses depois, mas, diante das fotos da moça, ganhou fama de "?#?GrandeGaranhão" de Brasília;

5) Em junho de 2015, ao tomar posse no STF, o ministro Luiz Edson Fachin herdou a maior parte dos processos relatados — e engavetados! — por Ricardo Lewandowski, agora no exercício da presidência do STF. Para surpresa de todos — inclusive do universo político —. Fachin desengavetou todos e deu seguimentos às ações; [Fonte G1 http://glo.bo/1Gg9XLv]

6) Nesta quarta-feira, 03 de fevereiro de 2016, o ministro Luiz Edson Fachin liberou o relatório da denúncia contra Renan Calheiros para que seja levado ao plenário do Supremo Tribunal Federal. Por enquanto, os ministros vão decidir apenas se aceitam ou não a denúncia, tornando ou não o presidente do Senado Federal réu numa Ação Penal.

P.S.: Não bastasse a enorme morosidade do Poder Judiciário, a data quando a denúncia será inserida na pauta do plenário do STF fica sob responsabilidade — de novo! — do "companheiro" Ricardo Lewandowski. Ou seja, nem tão cedo!

Viva a ?#?BananeiraJeitinho!

Helder Caldeira

                                                   https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online.


Helder Caldeira

Escritor, Colunista Político, Palestrante e Conferencista
*Autor dos livros “Águas Turvas” e “A 1ª Presidenta”, entre outras obras.