Certificação Sensorial: um passo além da rastreabilidade

27/02/2016 às 13:41

Em viagem pela Europa, numa região chamada Francia Corta, na Itália, ao lado de Brescia, são produzidas uvas especiais que se transformam em vinhos e destilados, grapas fantásticas como uma que degustei chamada Acquavite de castanha. Imaginem que um hectare de terra aqui custa mais de um milhão e quinhentos mil euros, ou seja, estamos na terra do agronegócio sofisticado, fino e do luxo.

Mas, a lição hoje foi a de mergulhar na próxima revolução da gestão do agronegócio chamada Certificação Sensorial. Já estamos com selos, certificados de origem e rastreabilidade dentro do agronegócio brasileiro. A próxima mudança vem com um estudo que assegura o consumidor se aquela laranja, tomate, café, carne, leite ou soja, está dentro de padrões sensoriais. Quer dizer que, a medida em que o produtor certifica a sensorialidade do produto, ele estaria dizendo para você que aquele produto, além de ter rastreabilidade e segurança alimentar, ele também tem dentro dele, o padrão esperado para sua qualidade vitamínica, de sabor, de cheiro. E tudo isso muito acima do padrão da beleza. Se os melhores experts em qualidade dos alimentos aprovassem o produto, por exemplo, esse estaria dentro dos padrões sinestésicos de qualidade.

Muita comida vai para o lixo por estar feia, o pimentão que não ficou bonito, a laranja que não ganhou o troféu de miss Brasil, ou a manga que não passou no teste de top model. Com a certificação sensorial, tudo isso será desvendado, e o que vai interessar cada vez mais no agronegócio será a sua qualidade efetiva e sensorial, acima de outros padrões estéticos que só servem ao desperdício.

Em Francia Corta, na Itália, ao lado do Dr. Luigi Odelo, da Universidade de Udine, e do Instituto Assaggiatori, participei de um show de análise sensorial, com a grapa, Acquavite di Castagne.

Se vier a Itália, não deixe de visitar o Borgo Antico San Vitale, no Borgonato di Corte Franca, e você pode ver tudo isso também pela internet, através do website: www.borgoanticovitale.it

Direto da Europa, estudando o agronegócio a partir das cidades, para compreender a agrossociedade. E agora vem aí, certificação sensorial, um passo além da rastreabilidade.

José Luiz Tejon Megido

 Conselheiro Fiscal do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM, Comentarista da Rádio Jovem Pan.

                                                        https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online.
Ops! Não foi possível realizar sua inscrição.

Inscrição realizada!

E-mail inválido