O que Rodrigo Maia, a Firjan e o PT, unidos, fazem contra você

As ideias liberais sofreram uma enorme derrota pelas forças do atraso na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (20).

Não foi apenas o governo federal que foi derrotado na Câmara dos Deputados. Derrotado, diga-se, numa questão em que o governo tinha absoluta razão.

Foram derrotados a racionalidade econômica, a gestão responsável dos recursos públicos, a possibilidade de o Brasil varrer do mapa jabuticabas como estatais estaduais e gastos com publicidade promocional, o necessário enxugamento da máquina, o fechamento de janelas de oportunidade para a corrupção. Tudo isso foi amplamente derrotado. Não por todos os deputados, diga-se a verdade, mas certamente por Maia e seu gostinho por dar ouvidos antes a petistas e patrimonialistas do que a integrantes de seu próprio partido que clamavam pela oportunidade de ratificar os enormes avanços propostos pelo Ministério da Fazenda e aprovados pelo Senado.

Ele, Maia, só pensa em reeleição. Por isso, não deve haver reeleição para presidente das casas do Legislativo. Por isso, na lei não há possibilidade dessa reeleição, mas até isso Maia inventou, em costura com o que o parlamento tem de pior, para dar um "jeitinho" de ficar mais dois anos à frente da Casa.

Só espero que não passe esses dois anos extras pagando favores a quem quer que as jabuticabas do Brasil sigam boicotando nosso desenvolvimento.

Os economistas e os que conhecem gestão e finanças públicas em profundidade estão extremamente decepcionados e revoltados com a decisão de hoje da Câmara dos Deputados.

Aurelio Schommer