Caso Adriano: Circo está sendo armado para assegurar a impunidade ao policial rodoviário federal

Percebe-se que um esquema está sendo montado para assegurar a impunidade ao policial rodoviário federal Ricardo Moon, que no dia 31 de dezembro praticou um violento e covarde homicídio, vitimando o empresário Adriano Correia, proprietário do Sushi Express, em Campo Grande (MS).

Por covardia ou incompetência, a PM no momento do crime não efetuou a prisão preventiva do policial.

Na sequência de absurdos, a polícia civil mentiu ao afirmar ao magistrado que o PRF havia sido conduzido pela PM até a delegacia, onde teria se efetivado a prisão em flagrante. Uma clara tentativa de proteger os policiais militares que não agiram corretamente no atendimento à nefasta ocorrência.

No momento seguinte, a delegada encarregada do caso, teria induzido o juiz a erro, colaborando decisivamente para que o magistrado, um dia após o crime, colocasse o policial rodoviário federal em liberdade.

Quando a verdade veio à tona, com a revelação de que o PRF havia se apresentado na delegacia com o seu advogado, as circunstâncias como o caso aconteceu e a violência empregada, o juiz voltou atrás, e decretou a prisão preventiva de Ricardo Moon.

Assim diante de tantas falhas e tantos erros cometidos, parece que se sobrepõe a iniciativa de mudar a história e todo mundo se proteger.

Estão fazendo de tudo para transformar um crime bárbaro em ‘legítima defesa’.

Um absurdo!

Lívia Martins

redaçã[email protected]