O preço da liberdade

‘A liberdade consiste em conhecer os cordéis que nos manipulam’. Baruch Spinoza – Filósofo

O mundo está dominado por um regime totalitário, onde todas as liberdades são estritamente limitadas pelo Estado, principalmente a subjetividade.

Na década de 60, quando se pensava muito no século 21, o artista plástico americano Andy Warhol previu que, no futuro, todo mundo poderia ser famoso durante 15 minutos.

Mas a galera de corpo malhado, que se exibe para as câmaras do reality show da TV Globo quer mais do que 15 minutos de fama e parece concretizar as previsões de outra antevisão do futuro, bem anterior a era psicodélica de Warhol. Uma previsão pessimista sobre os rumos da sociedade de massa, contida num conto de ficção científica que pouca gente leu. “A marcha dos idiotas” de Cyril M. Kornbluth, que nunca foi traduzido no Brasil.

Kornbluth, que morreu em 1960, foi um grande crítico da cultura de massas e da sociedade de consumo. Em seu conto, o controle da natalidade pela elite cultural da sociedade cria um mundo, onde a grande massa da população tem um nível de inteligência muito baixo. E tudo tem que ser feito para ser entendido e consumido pelos bilhões de idiotas que tomam conta do planeta Terra.

A televisão deste mundo só apresenta programas de baixíssimo nível cultural, a música se reduz a uma batucada hipnótica, sem as harmonias complexas que os idiotas não podem apreciar ou compreender. A literatura se reduz às histórias em quadrinhos e aos livros de auto-ajuda escritos em uma linguagem coloquial, adequada para crianças do pré-primário.

De certa forma, este futuro imaginado por Kornbluth é mais assustador e está mais próximo de nós do que o “1984”, de George Orwell, de onde a Tv Globo tirou o termo “Big brother”. Big brother em português significa “O Grande Irmão” e este era o nome usado pelo ditador de um país totalitário do futuro, inspirado na Alemanha de Adolf Hitler e na União Soviética de Josef Stalin. 

No mundo do “Big brother”, as casas tinham câmaras de televisão, usadas para vigiar os cidadãos e verificar se não estavam seguindo modos de conduta proibidos, ou fazendo coisas contrárias à ideologia do governo.

Orwell temia um futuro, onde o individualismo seria sufocado e as pessoas virariam uma massa de gente alienada e controlada pela propaganda oficial. 

Uma sociedade assim existiu na década de 60, na China, durante a Revolução Cultural de Mao Tse Tung. Mas o mundo seguiu um caminho diferente e os regimes totalitários, como a Rússia de Stalin e a China de Mao são raridades no mundo de hoje.

Em 2006 o mundo de “1984” sobrevive apenas na Coréia do Norte e em alguns países do Oriente Médio, como o Irã. No ocidente, tivemos a época do idealismo cor-de-rosa do movimento hippie nos anos de 1960 e 1970 -a turma da paz e do amor, que pregava a vida em pequenas comunidades, em contato com a natureza, onde todo mundo era solidário e se ajudava em busca de uma felicidade em comum.

Depois, a partir de 1977, começou a era dos yuppies, do culto ao individualismo e ao corpo perfeito, modelado nas academias de ginástica. Passou a prevalecer uma ideologia do cada um por si, do “toma lá dá cá”, que veio dar nesta juventude que sonha em virar celebridade e “conquistar um lugar ao sol”, tão bem representada pelos participantes do “Big brother”. O “Big brother” é a expressão máxima da ideologia do “cada um por si e salvem-se quem puder”. No show, só pode existir um vencedor e as alianças e os grupos são sempre temporários e feitos com o objetivo de eliminar a concorrência.

O povo, que não conhece nada melhor, acompanha com interesse o programa e se diverte com a desgraça dos eliminados. Mas a sociedade da “Marcha dos idiotas” está condenada à decadência e à catástrofe, porque vivemos num mundo cada vez mais interdependente e inter-relacionado, onde só a solidariedade e o trabalho de equipe podem criar soluções eficientes. Infelizmente pouca gente leu o conto de Kornbluth.

Em 1999, John de Mol, um executivo da TV holandesa, sócio da empresa Endemol, teve a idéia de criar um Reality Show onde pessoas comuns seriam selecionadas para conviverem juntas dentro de uma mesma casa, vigiadas por câmeras, 24 horas por dia. O nome do programa foi inspirado no livro de Orwell: Big Brother (em alguns países o nome do programa é traduzido, o que não foi o caso de alguns, como o Brasil ou em Portugal).

Big Brother é um popular reality show onde, durante cerca de três meses, um grupo de pessoas (geralmente menos de 15) que tentar se manter em uma casa fechada, onde as expulsões são decididas pela audiência, e assim conseguir o prêmio por se manter a mais tempo na casa.Que o Big Brother é um reality show que goza de grande popularidade nas mídias de massa, exibido em TV aberta ou canais exclusivos de assinantes, isto nós todos já sabemos.

Sabemos também que este tipo de programa rende muito mais para as operadoras de TV e de telefonia do que para o próprio “vencedor”. Na verdade, o programa na sua configuração atual, BBB 9, é uma verdadeira vitrine de marketing. Há quem o ame e quem o odeie.

A essência do programa consiste em se manter as pessoas monitoradas por câmeras dia e noite naquele ambiente fechado, onde, quem lá se encontra tem que se sujeitar a isso sem direito sobre as imagens. 

O sucesso do programa fica por conta dos relacionamentos que lá se formam e seus desdobramentos e interações com o público. A audiência decide quem fica e quem sai, e aquele que consegue se manter por mais tempo na casa leva o prêmio. Agora, cá pra nós, de onde vem esta invenção e por que Big Brother?

O “Grande Irmão” (ou “Irmão Mais Velho”, em inglês: “Big Brother”) é um personagem fictício no romance 1984. Escrito por Eric Arthur Blair sob o pseudônimo de George Orwell e publicado em 8 de Junho de 1949 que retrata o cotidiano numa sociedade totalitária. O título vem da inversão dos dois últimos dígitos do ano em que o livro foi escrito, 1948.

Em 1949, o escritor Inglês George Orwell publicou um livro intitulado Nineteen Eighty-Four (1984). A estória consiste da descrição de uma sociedade que vive sob um regime repressivo totalitário, em um futuro fictício, vigiada 24 horas por dia. Tem um pouco do “Admirável mundo Novo”, de Aldous Huxley, escrito em 1931.

Na sociedade descrita por Orwell, todas as pessoas estão sob constante vigilância das autoridades, principalmente por teletelas (telescreen), sendo constantemente lembrados pela frase propaganda do Estado: “o Grande Irmão zela por ti” ou “o Grande Irmão está te observando” (do original “Big Brother is watching you”). Representado pela figura de um homem que provavelmente na trama não exista, vigia toda a população através das chamadas teletelas, governando de forma despótica e manipulando a forma de pensar dos habitantes.

Mundo afora, muitos programas semelhantes surgiram, conservando o mesmo nome ou traduzindo-o para o idioma local. Em alguns lugares o programa foi copiado exatamente como o original, mantendo o nome, como foi o caso do Brasil (Big Brother Brasil – BBB).

O personagem Big Brother, que possivelmente na trama não existia, era apenas figura de intimidação, vigiava e manipulava a população dia e noite através de um sistema de TV. Supõe-se inspirado em Stalin e Hitler, dentre outros tiranos. 

A intimidação era reforçada através de cartazes espalhados pela cidade, em espaços públicos e privados, onde se lia “Big Brother is Watching You” (“Big Brother” está de olho em você – ou está “cuidando” de você).

Voltando ao programa brasileiro, e com base no sentido original do nome Big Brother, quem seria o verdadeiro Big Brother no BBB, o Bial ou o diretor da rede de televisão.

Afinal, quem manipula os “peixinhos” lá no “aquário”. Aqui fora, no mundo real, nós também vivemos um gigantesco Big Brother. Em nome da segurança o cidadão perdeu sua privacidade. Onde quer que estejamos, shopping, empresas públicas ou privadas, praças, estradas (essas são cruéis), lá está o “zoião” vigiando a gente.

Será que vamos ganhar um milhão ou querem nos colocar no paredão!?

Mais uma vez o público teve papel decisivo na final do BBB, escolhendo o vencedor por uma diferença mínima de votos. 

Em seu último recado, Pedro Bial evocou Baruch Spinoza (1632-1677), para quem “a liberdade consiste em conhecer os cordéis que nos manipulam”, para explicar a vitória de Max, o Alemão do BBB9, sobre Priscila. 

“Ainda há gente que não entendeu”, disse o apresentador, “que quem manipula o programa são vocês, com a nobre co-autoria do público”. 

Bial começou a sua fala afirmando : “Hoje não é discurso de eliminação, é discurso de iluminação. Que vocês dois tenham uma vida iluminada. Somos ainda animais tateando as cavernas , movidos por forças que desconhecemos.” Chamar o ser humano de animal racional às vezes é força de expressão. Vocês confinados são submetidos à prova mais difícil . Spinoza deu a pista : “Liberdade é conhecer os cordéis que nos manipulam”. 

Quem manipula o programa são vocês. Com a nobre co-autoria, o público é o grande líder do Bi Brother. Aí o povo se apaixona por um de vocês, e é a paixão assustadora das torcidas de futebol . E como poderia ser de outra forma ? Se todos os raciocínios, estratégias de jogo se mostram inúteis, porque a substância que a gente trata aqui é imaterial (…) O senso comum é de quem tem preguiça de pensar (…) Aí, com o tempo, a convivência, o preconceito vai se esfarelando, cai à máscara dos falsos moralistas.

Ao final do reality show, no cair das cortinas, o que resta ao grande público é a ilusão de ter contribuído para a felicidade dos participantes, especialmente na escolha do vencedor.

Em tempos de escassez nos relacionamentos, muitos optam em assistir filmes, novelas, peças de teatro, e agora o Big Brother.

Pio Barbosa Neto

Professor, escritor, poeta, roteirista

Pio Barbosa Neto

Articulista. Consultor legislativo da Assembleia Legislativa do Ceará