Dossiê aponta Trump como adepto da ‘urofilia’

A adesão de Donald Trump a prática de urofilia, segundo o tal dossiê, teria ocorrido numa farra com prostitutas em Moscou, em 2013.

“O empresário teria assistido às garotas urinarem na mesma cama da suíte presidencial do hotel Ritz Carlton onde dormiu, em visita oficial, o casal Barack e Michelle Obama (‘que ele odiava’)”, diz o relatório.

Urofilia é o ‘fetiche’ de urinar sobre o parceiro.

Trump nega, diz que é ‘germofóbico’, ou seja, tem aversão a germes, inclusive já teria declarado sua ojeriza a apertos de mão.

Porém, no caso da ‘urofilia’ esta preocupação é inexistente, destruindo a alegação de Trump.

A urina é livre de germes, ‘muita gente, inclusive, a usava nas guerras como cicatrizante, já que a ureia é um bom emulsificante’, afirma o médico infectologista Artur Timerman.

da Redação

Fonte: Folha de S. Paulo