Cogitar candidatura de Puccinelli é tripudiar sobre as vítimas do hospital do Câncer (veja o vídeo)

Tudo indica que a situação processual do senhor André Puccinelli já esfriou. O risco de prisão parece ter ceifado, não obstante o seu notório envolvimento em inúmeras práticas ilícitas, corrupção e falcatruas, conforme demonstram sobejamente investigações realizadas pela Polícia Federal e o Gaeco.

Todavia, entre todos os crimes praticados por este cidadão, o mais grave indiscutivelmente foi a chacina cometida no Hospital do Câncer de Campo Grande (MS), onde pacientes morreram lentamente por falta de medicação e tratamento adequado.

Provas da atuação direta do governador na prática criminosa não faltam. Flagrantes foram realizados pela imprensa, filmagens, depoimentos e documentos foram coletados. Porém, André continua solto, curtindo os netos e garganteando uma nova candidatura ao governo do estado em 2018.

Um acinte contra a sociedade de Mato Grosso do Sul.

O escândalo do hospital do câncer foi destaque até no programa Fantástico da Rede Globo.

Uma quadrilha formada por médicos, com a participação e proteção de André Puccinelli, utilizava-se do sofrimento de pessoas doentes para ganhar dinheiro.

A Policia Federal flagrou a então secretária de saúde, a médica Beatriz Figueiredo Dobashi, numa conversa com o diretor do Hospital Regional de MS, o médico Ronaldo Queiróz, onde a dupla arquitetava uma estratégia para beneficiar empresas, em detrimento dos hospitais públicos de Mato Grosso do Sul, impedindo a doação de aparelhos que seriam utilizados no combate ao câncer.

Desvendada a prática criminosa, o governador demitiu a secretária de saúde e conseguiu abafar o caso. Ninguém ainda foi condenado e o próprio ‘Fantástico’ não retomou mais a matéria. O caso tomou o rumo do esquecimento.

De qualquer forma, é incompreensível que diante de tanta barbárie, André ainda tenha eleitor.

No vídeo postado abaixo, reveja a reportagem do Fantástico.

Acorda Brasil! Acorda MS!

Lívia Martins

[email protected]