Pesquisa mostra que ser bom em matemática é hereditário

Pesquisa mostra que ser bom em matemática é hereditário, foram encontradas as primeiras evidências pelos Cientistas que a habilidade dos pais com os números ajuda a prever os resultados dos filhos nas provas.
 Se você e seus pais tiveram boletins parecidos na escola, não é coincidência alguma – pelo menos em
Matemática. Um estudo da Universidade de Pittsburgh concluiu pela primeira vez que dá para prever o desempenho dos filhos olhando para o talento matemático dos pais.

Os pesquisadores dividiram essas capacidades em dois grupos. De um lado, a matemática que aprendemos na escola, ou seja, a habilidade de calcular e entender a relação entre os números. Do outro, um aspecto mais intuitivo, chamado de Sistema de Aproximação Numérica.
Esse segundo grupo trata de um senso numérico que já nasce com os bebês (tanto humanos quanto de outros mamíferos) e vai se desenvolvendo ao longo da vida. 

Ele não permite fazer contas, mas ajuda a entender diferenças de grandeza – o que faz, por exemplo, que um bebê de poucos meses já manje qual pilha de Lego é maior.
No estudo, tanto adultos quanto crianças passaram por um teste que media essa aproximação numérica. Em uma tela, eles tinham meio segundo para avaliar duas pilhas de bolinhas coloridas e indicar qual era a maior.
No final do estudo, os cientistas perceberam que os filhos dos pais com o melhor desempenho também tendiam a acertar mais no teste – e a mesma coisa acontecia com rendimentos piores.

Além de prever a intuição dos filhos para os números, o desempenho dos pais em testes de habilidades matemáticas também tinha uma forte relação com os acertos dos filhos em exames de cálculo e de resolução de problemas aplicados – o que, na escola, tem ligação direta com a nota do boletim.

Os cientistas ainda não sabem o suficiente sobre a hereditariedade da matemática para dizer se ela tem origem genética ou se pais que são bons em matemática tendem a estimular mais o interesse dos filhos em números e cálculos.
Mas, como a percepção numérica intuitiva não é uma habilidade que se possa aprender ou ensinar, são grandes as chances que seu talento para matemática estar marcado no seu DNA.


Valdivino Sousa é Professor, Matemático, Contador, Bacharel em Direito e Escritor.  Pesquisador sobre Engenharia Didática em Matemática; Modelagem; Construção do Conhecimento em Matemática;   Modelos Matemáticos e suas Aplicações.  Site: http://www.valdivinosousa.mat.br




Valdivino Sousa

Valdivino Sousa é Professor, Matemático, Pedagogo, Contador, Bacharel em Direito e Escritor. Pesquisador sobre Engenharia Didática em Educação Matemática; Modelagem; Construção do Conhecimento em Matemática; Modelos Matemáticos e suas Aplicações. Seu trabalho é reconhecido com Medalha de Mérito como docente pelo Instituto Matematics. É docente nos cursos de Matemática, Ciências Contábeis, Administração e Engenharia. Dedica-se também a área contábil, com mais de 20 anos de experiência e desde 2005 é Contador responsável da Alves Contabilidade e Consultoria Tributária. Atuante nas seguintes áreas: Tributária, Contábil e das Entidades sem fins Lucrativos. Autor de mais de 10 (dez) livros e têm vários artigos publicados em revistas e jornais especializados nos assuntos de Legislação tributária e contábil. Semanalmente escreve para o portal D.Dez, Jornal da Cidade e Folha Online. Sobre: Educação Matemática e Desenvolvimento da  Aprendizagem.  Site: www.valdivinosousa.mat.br E-Mail: [email protected] Cel Whatsap 11- 9.9608-3728.