Os falsos heróis das séries de TV

26/03/2017 às 23:23

Você já percebeu que alguns programas de TV parecem querer domesticar a audiência? E eu nem falo das porcarias que são produzidas no Brasil. Essa última leva de séries inspiradas nos heróis da Marvel são a maior prova disso. Parece haver um manual de etiqueta que todos os “mocinhos” seguem. Os heróis são idiotas afetados que se recusam a matar os vilões. Os vilões quase sempre são empresários inescrupulosos que personificam uma maldade pouco realista. Os policiais sempre são pintados como corruptos ou malvados, com raras exceções. E em todos eles os heróis são colocados em situações onde lutam contra policiais fardados, se aliam com vilões e até cometem crimes.

Por exemplo, no começo da segunda temporada de Gotham, o policial James Gordon passa a trabalhar para o mafioso Oswald Cobbelpot (o famoso vilão Pinguim) e mata um dos inimigos dele por não pagar o que o mafioso queria. Em Flash, Barry Allen se alia ao vilão Capitão Frio (Leonard Snart) para salvar os supervilões que ele mesmo aprisionou dentro de um acelerador de partículas. Para selar o acordo, o Flash tem que apagar todos os registros criminais do foragido Capitão Frio (o que inclui homicídio). Sem muita hesitação, é exatamente isso que o “herói” faz. Mas nada disso supera a afetação dos discursos de Matt Murdock, o Demolidor, sobre a culpa que tem por estar combatendo o crime.

É uma tremenda inversão de valores que trabalha de mãos dadas com praticamente tudo que a Marvel tem produzido nos últimos tempos. Nessa “agenda cultural”, há espaço até para a demonização do capitalismo. Em Arrow, o Arqueiro-Verde descobre que empresários querem nivelar todo um bairro pobre da cidade, matando os moradores no processo, só para ficar mais ricos construindo casas. Pior, a sua própria empresa está envolvida no esquema. Do mesmo modo, o jovem Bruce Wayne descobre que as empresas de seu pai são tão corruptas quanto os mafiosos da cidade. Nessas séries, a audiência é convidada a desconfiar do sistema capitalista, como se os maiores crimes da humanidade não tivessem sido cometidos por estados. Até mesmo a envergadura das falcatruas da Friboi teria sido reduzida se a empresa não tivesse recebido bilhões de reais do BNDES. Você sabia que a Friboi foi a maior doadora da chapa Dilma-Temer, pagando R$ 5 milhões para manter os socialistas no poder? Empresas, e principalmente pessoas, podem ter intenções ruins. Mas elas sempre precisarão da ajuda de governos para chegar perto das maldades que o estado cubano, o norte-coreano ou o venezuelano são capazes de fazer.

O fato é que as pessoas que se interessam por heróis não estão interessadas na visão tosca de mundo de roteiristas e produtores de esquerda. Nós não estamos interessados no discurso vazio de que os vilões são “vítimas” da sociedade. Não estamos interessados em heróis que se questionam se é correto cometer crimes. Não queremos “mocinhos” afetados como o Demolidor, que não tem problemas em agredir policiais para não ser preso, mas que só falta chorar cada vez que espanca um bandido. E também não nos interessamos pela novelinha anticapitalista que está se desenrolando em Punho de Ferro. E é exatamente por isso que todas essas séries têm FRACASSADO. É por isso que ninguém ouve falar de Arrow, do que está acontecendo em Gotham ou da novelinha que se tornou o Flash.

Tudo o que resta aos fãs do heroísmo é esperar que os produtores da Netflix não reinventem o Justiceiro, em sua série que está marcada para estrear nesse ano. Que eles não transformem o Frank Castle em uma moça supersensível como o Demolidor. Que os ingredientes de toda boa história de ação continuem lá e não sejam trocados por legalismos vazios e vigilantes sociais. Porque se isso não acontecer, a série irá para a mesma dimensão de irrelevância para onde foram Gotham, Arrow, Flash, Iron Fist, Jessica Jones, enfim, todas essas produções pretenciosas que tratam a audiência como crianças a serem educadas.

Henrique Guilherme

Ops! Não foi possível realizar sua inscrição.

Inscrição realizada!

E-mail inválido