Lula, seu depoimento a Moro e a revolução bolivariana

A operação ‘Lava Jato’ impactou profundamente a vida de cada brasileiro, nunca na história desse país alguém poderia imaginar um acontecimento desses, muitos dos maiores empresários e políticos do país estão presos, centenas ainda estão sendo investigados e entre eles está o ex-presidente Lula que segundo as investigações do Ministério Público federal, é o líder máximo da quadrilha montada para saquear o dinheiro do povo brasileiro.

Há uma expectativa em todo país sobre o que será feito de Lula, o país está rachado, de um lado o povo pedindo justiça, do outro, a militância de esquerda tentando defender o indefensável, nas ações de cada um desses grupo antagônicos temos a prova inequívoca do real intuito de cada um deles, os sindicatos, movimentos estudantis e sociais já demonstram através de manifestações de ódio, ameaças e quebra quebra em manifestações estarem dispostos a tudo para garantir o projeto de poder planejado por Lula e seus asseclas no foro de São Paulo, enquanto o povo vai aos milhões para as ruas de forma pacifica e ordeira.

A intenção desses baderneiros é anular a Justiça no grito, na base da ameaça, da pancadaria, do quebra-quebra, todos lembramos das ameaças de Guilherme Boulos "se houver impeachment e o Lula for preso o Brasil será incendiado por greves e ocupações" e também das bravatas de Wagner Freitas e ameaçou pegar em armas caso houvesse impeachment, agora, diante da prisão iminente do chefe da quadrilha que poderia acontecer durante a audiência marcada para o dia 3 de maio, a cena se repete, os militantes de esquerda se organizam para literalmente invadir Curitiba, um deles, Roberto Braw, ameaçou invadir o fórum e jogar o juiz Moro de cima do prédio numa clara incitação à guerra civil.

O depoimento do ex-presidente foi adiado e estou tentando entender o porquê, não acredito que foram somente pelas ameaças dos sindicatos e movimentos sociais pois isso já aconteceu antes e a caravana seguiu, o Estado brasileiro é suficientemente forte para rechaçar qualquer tentativa de ataque à ordem institucional, lembro-me porém que durante o processo de impeachment alguns outros agentes bolivarianos também desferiram suas ameaças, o presidente da Bolívia Evo Morales que enviou um recado aos oficiais brasileiros quando discursava diante de suas tropas e declarou “…Se tiver golpe (impeachment) no Brasil vamos atacar com nossas forças armadas…”.

É importante notar que a Operação Lava Jato literalmente acaba com o plano de poder do foro de São Paulo, as principais lideranças do movimento no Brasil estão presas ou em vias de sê-lo, não há mais o financiamento estatal que entregava o dinheiro do povo brasileiro aos amigos da revolução, na Venezuela, principal bastião do bolivarianismo, o presidente Maduro tem em suas mãos uma situação insustentável e todo esse contexto faria da prisão de Lula a última pá de cal no caixão da revolução bolivariana, fato que a meu ver poderia levar a uma reação imprevisível por parte do grupo bolivariano, inclusive agirem em conjunto com os militantes de esquerda no Brasil para promover uma guerra civil objetivando caos social ao mesmo tempo que deflagram um ataque multivetor contra as fronteiras brasileiras.

Parece improvável? mas não é e a prisão de Lula tem força suficiente para unir 'as esquerdas' e ser o estopim desse estratagema, aos poucos, a população beneficiada pelas políticas assistencialistas da esquerda, a mesma população que coloca Lula em primeiro nas pesquisas, seria arregimentada tanto para atuar diretamente nos conflitos quanto para servirem de legitimadores morais das sentenças que seriam coligidas a favor de Lula do consciente coletivo, com a continuidade da instabilidade na ordem social e com o apoio de forças externas haveria uma ruptura do Estado de direito a favor da esquerda, seria o fim de nosso país, da mesma forma um ataque militar do grupo bolivariano ao Brasil é totalmente viável e o Brasil teria sérios problemas para se defender principalmente por não possuir defesas aéreas de longo alcance e por possuir aviões de caça obsoletos frente aos modernos sistemas de defesa aérea e aos caças SU-30 russos empregados na força aérea da Venezuela.

Na época das ameaças de Evo Morales o Exército Brasileiro realizou sem alarde quatro exercícios militares, duas operações de deslocamento de blindados até Roraima e outras duas em Rondônia, para testar sua capacidade de dissuadir por terra um possível ataque do grupo bolivariano composto por Venezuela, Equador, Nicarágua e Bolívia, recentemente o Exército Brasileiro anunciou um exercício conjunto entre as forças armadas de Brasil, Colômbia, Peru e EUA, na tríplice fronteira, como visto atualmente no episódio envolvendo a Coréia do Norte, EUA e Coréia do Sul, a função dos exercícios militares, além de adestrar, é fazer uma demonstração de força e prontidão, no caso dessa ação conjunta liderada pelo Brasil uma mensagem direta aos líderes do bolivarianismo.

O adiamento do depoimento de Lula serviu provavelmente para mobilizar os meios e efetivo necessários para uma resposta imediata a qualquer ataque à soberania, às instituições e ao povo brasileiro.

Quanto a Lula, creio que será preso!

Robson Ventura