Macron, um ex-socialista, mas a melhor opção

08/05/2017 às 06:41

Não consigo compreender a estridência com que amigos ditos conservadores atacam a vitória de Macron na França e defendem a derrotada Marine Le Pen.

Ora, o candidato conservador viável nessa eleição era Fillon, que perdeu a eleição por conta de pecadilhos pessoais (imperdoáveis, é verdade, mas eu teria votado nele se francês fosse mesmo assim). Fillon apoiou Macron, como eu torci por Macron.

É um ex-socialista convertido a um liberalismo ma non troppo? Sim, mas isso é muito melhor, mais próximo do conservadorismo de matriz britânica, essencialmente liberal e pró-livre comércio, do que o programa trabalhista de Marine Le Pen, que mais parece cópia da plataforma "social" de Mussolini, cuja versão brasileira foi implantada por Vargas e até hoje lutamos contra seus resquícios.

"Ah, mas os islâmicos", dizem meus amigos ditos conservadores.

Em primeiro lugar, o candidato dos islâmicos nessa eleição foi Mélenchon, declaradamente bolivariano e de extrema esquerda.

Tem mais: Dalrymple já matou a charada, o problema maior não são os islâmicos, é o marxismo cultural e a velha ameaça socialista que paira sobre nós. Não serão forças externas que derrotarão o Ocidente. O poderio militar dessa gente é pequeno. O inimigo mora conosco, sempre morou, desde Thomas Muntzen pelo menos.

"Ah, mas tem que ser mais duro com o terrorismo". Outra vez Dalrymple: tem que ser mais duro com o crime em geral. O militante islâmico que matou um policial em Paris recentemente era fichado como assaltante e assassino e estava solto por conta de uma legislação leniente e um juiz "bonzinho". Ora, é preciso jogar no lixo o que é lixo, lugar de criminoso, ladrão, assassino, estuprador, é longe de convívio social, de preferência em prisão perpétua, não importa se é islâmico ou não, se movido por terrorismo, por discurso esquerdista ou por mera maldade.

Isso não será resolvido por Macron como não seria resolvido por Le Pen. São os franceses, pressionando seu parlamento, que devem decidir que bandido bom é bandido preso e ponto final.

Aí vêm me falar em globalismo, numa conspiração dos FDPs de Bruxelas, só falta dizerem que são judeus belgas. Ora, é evidente que Bruxelas é muito burocrática, mas isso os eleitores da UE inteira já sabem e estão votando contra os excessos, o próprio Macron é por menos burocracia, menos Estado, mais iniciativa privada, mais livre comércio.

"Ah, mas Macron era socialista". E daí? Conheço muitos ex-socialistas, eu sou um deles, já militei no PCB, o velho Partidão. Negar que alguém possa se dar conta de que o marxismo é uma religião ruim e destrutiva é negar que alguém possa passar a usar a própria inteligência em algum momento.

Sigo sem entender que ditos conservadores tenham se enrolado na bandeira de uma candidata que não tem absolutamente nada de conservadora e é abertamente antiliberal. Já me deram centenas de explicações, quase todas baseadas em teorias conspiratórias ou na falsa noção de que o islamismo é o perigo. Não o é, o perigo é a esquerda e os que defendem plataformas de esquerda travestidas de patriotismo, como no passado fizera Hitler. E a esquerda, hoje, perdeu a eleição na França, perguntem aos esquerdistas de lá.

Aurélio Schommer

Ops! Não foi possível realizar sua inscrição.

Inscrição realizada!

E-mail inválido