A Lama Asfáltica e o esfacelamento da organização criminosa

O prosseguimento da Operação Lama Asfáltica em Mato Grosso do Sul irá com certeza desencadear profundas modificações no cenário político estadual. Uma limpeza, uma verdadeira faxina, que, guardadas as devidas proporções, será muito maior do que o está ocorrendo no cenário nacional com a operação Lava Jato.
O real alcance da "Lama Asfáltica" ainda é imprevisível, mas alguns pontos estão evidenciados:
- Salvo raríssimas exceções, a classe política de Mato Grosso do Sul é imunda, a imprensa é marrom, o Judiciário é um engodo e o Ministério Público é  inexistente.
- A organização criminosa comandada por André Puccinelli, possui inúmeras ramificações e já prejudicou enormemente o desenvolvimento do estado. O prejuízo é incalculável.
- O resultado do pleito de 2012 na prefeitura de Campo Grande, foi fundamental para o avanço das investigações. 
O grupo de Puccinelli operava com extrema eficiência a muito tempo e detinha o pleno controle de dois grandes cofres. O cofre do governo do estado e o cofre da prefeitura de Campo Grande, além de outros também extremamente rentáveis (Hospital do Câncer, Santa Casa, Proteco, Solurb, etc, etc e etc.).
O cofre da prefeitura era sensacional para a organização. Jorrava dinheiro... Assim, quando perderam o seu controle, entraram em "parafuso", muita grana, na visão dos bandidos, estava indo para o "ralo", um "prejuízo" de grande monta para as negociatas de André, Amorim e companhia. 
O efeito foi "dominó", pois caindo os ganhos da organização, todas as ramificações perdiam. A imprensa marrom, os mensaleiros da Câmara e as empresas participantes do esquema. 
Diante do quadro sinistro, de maneira orquestrada, mas com certo desespero, iniciaram o tresloucado plano para retomar o cofre da Capital de Mato Grosso do Sul. Para tanto necessitavam cassar o mandato do prefeito, já que o vice estava devidamente cooptado.
Desta forma, na operacionalização do crime, tiveram que gastar dinheiro, alimentar a imprensa marrom e abastecer com propina os vereadores e membros de outros poderes. 
A trama maquiavélica deu certo e o objetivo foi alcançado no dia 12 de março de 2014.
Com o sucesso do golpe político, a organização criminosa recuperou o controle do cofre de Campo Grande e, sem qualquer problema, montou o secretariado do pastor marionete, colocando nos postos estratégicos pessoas escolhidas pelos vereadores, pessoal do Judiciário e peemedebistas ligados a André e Nelsinho. E ai começou uma verdadeira algazarra para recuperar o tempo e o lucro perdido enquanto perdurou a gestão de Alcides Bernal. Cada um dos golpistas buscando tirar a sua lasquinha. A prefeitura virou uma verdadeira "Casa de Mãe Joana", um cenário prostituído, que persiste até hoje. 
A Solurb, por exemplo, uma das empresas utilizadas para solapar o dinheiro público, triplicou sua receita espúria, passando de 4,5 para 15 milhões por mês. A alegria estava de volta para o mundo do crime.
Só uma coisa não estava no "script" golpista. A polícia federal vinha acompanhando todos esses movimentos, fazendo filmagens, gravações e colhendo verdadeiras impressões digitais.
Hoje a polícia detém um arsenal de informações que incriminam André, Amorim e demais componentes da organização. Tanto é verdade, que a prisão da dupla foi requerida pelo delegado responsável pelas investigações. O juiz do caso preferiu analisar tal possibilidade em um outro momento. Diante das provas que estão sendo colhidas e dos fatos novos que estão vindo a tona, em breve logo isto deverá acontecer.
Vamos aguardar, confiantes de que essa turma está a caminho do xilindró e que a faxina será efetivamente realizada.
José Tolentino
Editor do Jornal da Cidade Online



Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

José Tolentino

Jornalista. Editor do Jornal da Cidade Online.