Leitor pede ‘Sérgio Moro presidente’

Brasil Decente Sérgio Moro Presidente

'Verás que um filho teu não foge à luta
Pátria amada Brasil'

Excelentíssimo Juiz Sérgio Moro,

O Brasil vive a pior crise política, econômica, ética e moral em sua história, com previsão da autoridade monetária de uma retração de 3,88% do PIB em 2016. Se a expectativa dos analistas se confirmarem, a situação da economia brasileira terá piora neste ano frente à retração registrada em 2015, que foi de 3,8%, e o PIB terá a maior queda desde 1990 - quando recuou 4,35% - ou seja, em 26 anos. 

Com a previsão de um novo "encolhimento" do PIB neste ano, essa também será a primeira vez que o país registra dois anos seguidos de queda no nível de atividade da economia – a série histórica oficial do IBGE, que teve início em 1948.

Como consequência direta destes resultados desastrosos, o país enfrenta uma brutal crise de empregabilidade. Segundo IBGE, a taxa de desemprego é de quase 11% no 1º trimestre de 2016. Com isso, a quantidade de pessoas desocupadas cresceu 22% em relação ao período outubro a dezembro e chegou a 11,1 milhões, o maior número de desocupados desde o início da Pnad Contínua.

Em comparação com o primeiro trimestre de 2015, a alta foi ainda maior, 39,8%.

Pode-se deduzir, em face destes números, que temos atualmente no país em estado de penúria, cerca 40 milhões de pessoas, e o que é mais grave, uma desesperança generalizada de que este cenário possa se alterar no curto, ou médio prazo. Afinal, expressivas lideranças da política nacional, muitas delas ocupantes dos principais cargos no legislativo e executivo federal, estão sendo investigadas ou denunciadas, e os que não têm foro privilegiado, já condenados no bojo da Operação Lava-Jato.

São eles os responsáveis diretos pela dramática situação em que se encontra o país, e, por consequência, a sociedade brasileira como um todo.

Aqui, doutor Sérgio Moro, por oportuno, “data vênia, é mister resgatar o emblemático texto do pensador alemão, Bertold Brecht: O Analfabeto Político.

‘O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais’.

Fundamental e igualmente oportuno, Juiz Sérgio Moro, em consonância com o texto de Bertold Brecht e o objeto deste manifesto, é ressaltar as palavras do presidente da Transparência Internacional, Sr. José Ugaz, em entrevista concedida à Folha de São Paulo publicada dia 28/06/2016, - não por coincidência a meus olhos, mas sim por obra de uma Engenharia Celestial - “A velha política ameaça a Lava-Jato.” Na sequência, observa ainda o ilustre líder da Transparência Internacional: 

‘Na ausência de novas lideranças, existe um risco real de que a velha política consiga sabotar os avanços da luta contra a corrupção’. Com um agravante, ‘há sinais preocupantes de desmobilização da cidadania’. 

O que fazer para impedir que o risco apontado de desmobilização da cidadania se concretize e que a velha política consiga seu objetivo de sabotar os avanços da luta contra a corrupção, que agravaria ainda mais o cenário atual da conjuntura social, política e econômica? a resposta está contida nas palavras do Sr. José Ugaz: ‘O surgimento de uma nova liderança política que galvanize os anseios da sociedade brasileira, por uma nova era de prosperidade, honradez, justiça, e paz social para todos, em especial, para aqueles que mais carecem da ação governamental’. 

A Revista Fortune, ‘afortunadamente’, apontou o nome brasileiro que preenche estas condições: o Juiz Federal Sérgio Moro, responsável na Primeira Instância pelos feitos da Operação Lava-Jato, sediada na República de Curitiba.

Isto posto, excelentíssimo Juiz Sérgio Moro, com elevada honra, representando o movimento Brasil Decente Sérgio Moro Presidente, encarecemos que aceite a missão que lhe está destinada, ser o próximo Presidente da República Federativa do Brasil, candidatando-se ao mais elevado cargo da nação nas próximas eleições presidenciais.

Estamos certos de que, com o tempo que dispõe para concluir a fase crucial da Operação Lava-Jato nos próximos 12 meses, haverá tempo hábil suficiente para a organização de sua campanha, bem como, para a elaboração do plano de governo que irá submeter ao escrutínio de todos os brasileiros, que irão aprovar por maioria esmagadora. 

‘Alea Jacta Est, quem viver verá’.

Sérgio Tadeu Monteiro de Almeida

Empresário, bacharel em Direito.
Pelo Movimento Brasil Decente
Sérgio Moro Presidente

Contatos:
E-mail: [email protected]
Curitiba-PR

da Redação